Biblioterapia, saúde mental e comunicação

competências e habilidades para a atuação bibliotecária durante a crise sanitária

Autores

  • Meri Nadia Marques Gerlin UFES
  • Ricardo de Lima Chagas UFSC

Palavras-chave:

Biblioterapia, Competências leitora e comunicativa, Habilidades de comunicação e leitura, Prática bibliotecária, Crise sanitária e Saúde mental

Resumo

Com o objetivo de identificar competências e habilidades necessárias à prática bibliotecária em espaços de informação, educação e cultura considera-se a contribuição da biblioterapia ao longo dos séculos até se constituir como uma estratégia de enfrentamento do sofrimento desencadeado pela pandemia, a crise sanitária mundial iniciada no final da segunda década do século XXI devido à Covid-19 (novo coronavírus). Por meio de um estudo qualitativo caracterizado como descritivo e como uma pesquisa bibliográfica realizada no âmbito da Ciência da Informação e áreas interdisciplinares, delineia-se um esquema metodológico compreendendo competências e habilidades de leitura e comunicativas. No que tange à competência leitora e ao saber fazer (habilidade) necessários ao uso de suportes com leituras informativas, literárias, entre outras modalidades destaca-se a capacidade de selecionar e disponibilizar narrativas, imagens, sons e outras linguagens (multimodalidade) que possam evocar diálogos terapêuticos e, não menos importante, leituras críticas e reflexivas durante a leitura (hiper)textual no espaço presencial e no ciberespaço. Em se tratando da competência comunicativa compreende-se a importância das suas habilidades para desencadear a interação verbal e não verbal durante os momentos biblioterapêuticos, conduzindo à acessibilidade e experimentação de uma escuta que precede o diálogo, o compartilhamento de experiências e o estabelecimento de uma situação de ajuda com base no uso de linguagens que traduzam sentimentos como o medo e a ansiedade, conduzindo ao fortalecimento da saúde mental e à resolução de problemas durante a crise sanitária. Depreende-se que tanto as competências leitora e comunicativa esquematizadas quanto o conjunto de habilidades identificadas são extremamente importantes aos processos biblioterapêuticos nas bibliotecas e noutros espaços visando o fortalecimento de uma prática bibliotecária que tende a conduzir à manutenção da saúde mental durante o cenário pandêmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Meri Nadia Marques Gerlin, UFES

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Educação e bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Professora Adjunta do Departamento de Biblioteconomia e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE) da UFES. Líder do Grupo de Pesquisa "Competência leitora e competência em informação: saberes e fazeres transdisciplinares no campo da Ciência da Informação" certificado pelo CNPq. Coordenadora do projeto de extensão ?Informa-Ação e Cultura? e da atividade de pesquisa e extensionista ?Rede de Estudos das Competências? (REC). Pesquisadora da Rede BRASIL de Gestão da Informação e Tradução do Conhecimento em Saúde à Ciência Cidadã registrada na Plataforma Brasil. Demonstra interesse pelas áreas: competência em informação; competência leitora; competência narrativa (contação de histórias); informação, saúde e sociedade; leitura literária e biblioterápica; planejamento de ações culturais, educativas e informativas; serviço de referência e sistemas de recuperação da informação; tecnologias de leitura, informação e comunicação; uso ético da informação e desinformação. Autora de artigos publicados em revistas científicas, em capítulos de livros organizados por pesquisadores, em anais de eventos científicos nacionais e internacionais, em livros literários e acadêmicos completos.

Ricardo de Lima Chagas, UFSC

Possui graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2005) e Graduação em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2019). Mestrado em Gestão de Unidades de Informação pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Pós-graduado (lato sensu) em Ciência da Informação (Biblioteca Escolar) pelo Centro de Ensino Superior Anísio Teixeira (2008). Formação em Psicanálise Clínica pela Associação Brasileira de Psicanálise Clínica (ABPC) e Especialização em Filosofia e Psicanálise pela NEAD/UFES. Atualmente é membro do APIS - Laboratório de Tecnologia e Inovação na Educação, Pesquisa e Extensão em Atenção Psicossocial e Drogas da UFSC. Bibliotecário/Documentalista na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Tem interesse nos seguintes temas: filosofia da psicanálise, ontologia, fenomenologia, ciência da informação, subjetividade e identidade na sociedade da informação.

Referências

ANTUNES, R. Coronavírus: o trabalho sob fogo cruzado. SP: Editora Boitempo, 2020.

ASSIS, P. O.; SANTOS, R. R.; JESUS, I. P. Biblioterapia como um campo de atuação para o bibliotecário: perspectivas dos discentes de biblioteconomia da UFBA. Biblionline, v. 15, n. 1, p. 41-53, 2019.

BUENO, S. B.; CALDIN, C. F. A aplicação da biblioterapia em crianças enfermas. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, v. 7, n. 1, p. 157-170, 2002.

CHAVES, I. T.; ALBUQUERQUE, R. M. F.; LAVOR FILHO, T. L. L. Odisséias literárias: biblioterapia de desenvolvimento aplicada no Tribunal Regional do Trabalho do Ceará. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, v. 25, n. 3, p. 751-765, 2020.

DUNKER, C. I. L. Formas de apresentação do sofrimento psíquico: alguns tipos clínicos no Brasil contemporâneo. Revista Mal-Estar e Subjetividade, Fortaleza, v. 6, n. 1, p. 94-111, mar. 2004.

EYLER, F. M. S. História antiga Grécia e Roma: a formação do Ocidente. Petrópolis, RJ: Vozes / PUC-Rio, 2014.

FERREIRA, D. T. Biblioterapia: uma prática para o desenvolvimento pessoal. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 35-4-7, jun. 2003.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1996.

FIOCRUZ. Fundação Oswaldo Cruz. Saúde Mental e Atenção Psicossocial na Pandemia COVID-19: recomendações gerais. Brasília, DF: Ministério da Saúde/FIOCRUZ, 2020.

FURNAN, P. P. Grécia e Roma. SP: Editora Contexto, 2002.

GASQUE, K. C. G. D.; SILVESTRE, F. de M. Competência leitora nas bibliotecas

escolares. Em questão, v. 23, n. 3, set./dez. 2017.

GERLIN, M. N. M. Competência leitora e competência em informação: saberes e fazeres necessários ao acesso da informação (hiper)textual no século XXI. Vitória (ES): Edufes, 2020.

LEITE, M. B.; CALDIN, C. F. Programas de aplicação da Biblioterapia no Reino Unido. Brazilian Journal of Information Studies: Research Trends, v. 11, n. 3, p. 53-65, 2017.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2010.

LIMA, C. R. M.; SIMÕES, K. O.; FINAMOR, M. S.; GUNTHER, H. F. Bibliotecários em hospitais: competência comunicativa e aprendizagem. Revista P2P e INOVAÇÃO, v. 6, p. 224-243, 2019.

OUAKNIN, M. Bibloterapia. São Paulo: Loyola, 1996.

OUAKNIN, M. Biblioterapia: leer es sanar. Barcelona, España: Oceano Travesia, 2016.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. OPAS. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Manejo clínico de condições mentais, neurológicas e por uso de substâncias em emergências humanitárias: Guia de intervenção humanitária. 2020.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. OPAS. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Proteção da saúde mental em Situações de Epidemia. Tradução do original em espanhol. Organização Pan-Americana de Saúde, 2006.

ONU. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Covid-19: OMS divulga guia com cuidados para saúde mental durante a pandemia. ONU News. 2020a.

ONU. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. United Nations Policy Brief: Covid-19 and the Need for Action on Mental Health. 2020b.

PETIT, M. A arte de ler: ou como resistir à adversidade. SP: Editora 34, 2009.

PINHEIRO, M. I. S.; RAMIRES, D. D. Biblioterapia: das dissertações e teses aos Cursos de Biblioteconomia no Brasil. Ciência da Informação em Revista, v. 7, n. 1, p. 153-167, 2020.

PINTO, V. B. A biblioterapia como campo de atuação para o bibliotecário. Transinformação, Campinas, v. 17, n. 1, p. 31-43, jan./abr. 2005.

SANTOS, A. P. dos.; RAMOS, R. B. T.; SOUSA, T. C. S. Biblioterapia: estudo comparativo das práticas biblioterápicas brasileiras e norte-americanas. Reciis – Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde, n. 11, v. 2, 2017.

SILVA, F. M. S.; FERNANDES, G. C.; LIMA, C. R. M. Competência comunicativa: uma competência administrativa para o bibliotecário universitário contemporâneo. Informação@Profissões, v. 2, n. 2, p. 119-133, 2013.

SILVA, G. V. O Egito, uma civilização africana. In: FURLANI, J. C. (Org.). A África no Mundo Antigo: possibilidades de ensino e pesquisa. Serra, ES: Editora Milfontes/UFES, 2019.

SOLÉ, I. Competencia lectora y aprendizaje. Revista Iberoamericana de educación, n. 59, p. 43-61, 2012.

Downloads

Publicado

2022-06-28

Como Citar

Gerlin, M. N. M., & Chagas, R. de L. . (2022). Biblioterapia, saúde mental e comunicação: competências e habilidades para a atuação bibliotecária durante a crise sanitária. Asklepion: Informação Em Saúde, 2(1), 110–138. Recuperado de https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/42