https://asklepionrevista.info/asklepion/issue/feed Asklepion: Informação em Saúde 2022-06-28T16:42:39-03:00 Clovis R. Montenegro de Lima clovismlima@gmail.com Open Journal Systems <p><span style="font-weight: 400;">A revista <strong>Asklepion: Informação em Saúde</strong> é uma publicação periódica semestral, vinculada ao grupo de pesquisa Informação em Saúde do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia – IBICT. Este periódico tem como missão oferecer um espaço de debate e discussão da área da Informação em Saúde</span></p> https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/35 Sistema de Saúde Pública e o enfrentamento da Covid-19 no Brasil 2022-06-14T17:54:04-03:00 Sandra Maria Souza de Carvalho sandramsc@hotmail.com Marcelo Calderari Miguel mrcelocalderari@yahoo.com.br Rogério Zanon da Silveira rogerio.silveira@edu.ufes.br <p>No Brasil, a saúde pública é regulamentada pela ação do Estado, através do Ministério da Saúde e demais secretarias estaduais e municipais. Entretanto, a saúde pública sofre desafios do mau gerenciamento e de falta de investimentos financeiros. Como resultado, temos um sistema em colapso, na maioria das vezes insuficiente e com pouca qualidade para atender a população. Este artigo analisa possibilidades de atuação dos serviços na rede do Sistema Único de Saúde (SUS) que contribuíram para o controle da epidemia e, simultaneamente, cumpram com a sua função essencial de garantir atenção cotidiana. Assim o objetivo geral realizar uma breve avaliação das ações da saúde e o seu enfrentamento para minimizar as doenças no Brasil, principalmente no que diz respeito a era pandêmica vivenciada pela Covid-19. Como metodologia utiliza-se a pesquisa bibliográfica sobre a temática em questão. Os resultados indicam que embora a falta de investimentos públicos e o gerenciamento errôneo de recursos, que faz com que o sistema publico de saúde se torne falho, com a chegada da pandemia de Covid-19 forçou adaptações em todos os setores e na saúde pública não foi diferente. O papel do SUS foi fundamental para evitar uma catástrofe ainda maior para a população de baixa renda. esse cenário, conclui-se que, as medidas do SUS, transfiguram-se em ação imprescindível para o enfrentamento da Covid-19, dando atenção especial a parte da população carente, assegurando intervenções que contribuam para o acesso dos serviços públicos disponibilizados as necessidades dos indivíduos infectados ou não, num momento de crise sanitária.</p> 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/36 Competência crítica em informação em saúde 2022-06-21T13:36:12-03:00 Mariana Rodrigues Gomes de Mello mariana.rg.mello@unesp.br Daniel Martínez-Ávila dmartinezavila@gmail.com <p>Na Ciência da Informação, o termo <em>information literacy</em>, foi utilizado pela primeira vez em 1974, por um bibliotecário estadunidense, chamado Paul Zurkowski, em um relatório intitulado: <em>The information service environment relationships and priorities. </em>Há certos setores que regem nossas vidas, os quais precisamos ter o mínimo de competência em informação para podermos ter uma existência mais digna, sendo os cuidados com a saúde um destes aspectos que merece capacidade crítica de análise de todos os seres humanos. Portanto, educação e saúde são conceitos diretamente relacionados no que tange à prevenção de doenças. Posto isto, temos como objetivo relacionar competência em informação, competência crítica em informação e informação em saúde e aferir, para tanto, a título de exemplo, a importância dessa relação pra minimizar o risco de contágio de doenças graves, como a Sindrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) em grupos vulneráveis, como o dos refugiados. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa pautada na revisão da literatura acerca da temática, com aspectos exploratórios, no que tange na relação entre competência crítica em informação em saúde com a situação de vulnerabilidade de refugiados ante os riscos de contaminação com HIV e o desenvolvimento da AIDS. Concluimos que reflexão crítica, competência em informação e comportamento informacional formam um tripé indissociável, o qual é a chave para a reivindicação dos direitos humanos, incluindo o acesso à saúde.</p> <p> </p> 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/39 Ciência aberta, Covid-19 e as memórias do amanhã 2022-06-14T18:02:19-03:00 Carolina Maria Ferreira Ribeiro carolina.mfr@hotmail.com Diego Andres Salcedo salcedo.da@gmail.com <p>A pesquisa teve como objetivo geral mapear as redes e mídias sociais digitais utilizadas como plataformas científicas, entre janeiro e abril de 2020, para o combate ao covid-19 em Pernambuco. Como aporte metodológico a pesquisa foi exploratória quanto aos objetivos e documental quanto aos procedimentos. Por meio da Internet quatro instituições pernambucanas e um consórcio resultaram como amostra. Uma primeira análise da amostra mostrou que essas organizações utilizaram o Facebook, o Instagram e o Twitter. Isso serviu como próprio recorte metodológico para uma segunda análise. Esta, por sua vez, verificou como cada organização utilizou o ambiente digital para registro e difusão de dados abertos sobre a Covid-19 em Pernambuco. A pesquisa conluiu, num primeiro momento que, apesar de não possuírem registro de dados desde o início da pandemia, uma das organizações antecipou-se às demais com o objetivo de estabelecer estratégias e fluxos procedimentais. Num segundo momento ficou claro que essas organizações não utilizaram a potencialidade das redes e mídias sociais na produção, circulação e difusão de dados abertos, com exceção de uma, desde abril/2020, quando a pandemia já havia se instaurado. Por fim, a pesquisa evidenciou que as plataformas digitais possibilitam, ao mesmo tempo, uma articulação entre transparência de dados abertos, práticas científicas e evidências documentais como memória da pandemia no Estado.</p> 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/38 A tipologia das fontes de informação em saúde 2022-06-14T17:48:20-03:00 Amanda Damasceno de Souza amandasd81@gmail.com Célia Maria de Oliveira cmariol@terra.com.br Fernanda Farinelli fernandafarinelli@gmail.com Eduardo Ribeiro Felipe eduardo.felipe@unifei.edu.br Edcleyton Bruno Fernandes da Silva biblioebfs@yahoo.com.br Selme Silqueira de Matos selmesilqueira@gmail.com <p>Objetivo: Apresentar subsídios teóricos a respeito das tipologias de fontes das informações em saúde usadas no suporte à tomada de decisão em saúde, com uma visão geral das tipologias, suas finalidades, onde encontrar cada tipo de informação e exemplos. Trata-se de pesquisa bibliográfica documental com revisão de literatura sobre vários conceitos e definições, tai<strong>s</strong> como fontes primárias, secundárias e terciárias em contexto digital. Exemplifica as fontes de informação em saúde que fornecem embasamento à prática baseada em evidências. Considerações finais: Os exemplos apresentados neste estudo demonstram a riqueza e diversidade de fontes de informação primárias, secundárias e terciárias da área de saúde que podem ser utilizadas de maneira efetiva e eficiente pelos profissionais de saúde. A medicina baseada em evidências utiliza evidências científicas na tomada de decisões sobre o cuidado individual do paciente, portanto, é imprescindível o manejo correto das fontes de informação em saúde.</p> 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/40 A função do bibliotecário de referência nas revisões de literatura em ciências da saúde o 2022-06-14T17:50:47-03:00 Roberto Unger roberto_unger@iesc.ufrj.br <p>O bibliotecário de referência é o profissional da informação habilitado para atendimento ao usuário e suporte à pesquisa, este papel ganha contornos estratégicos com a intensidade da demanda das necessidades informacionais, a atualização e capacitação profissional dos usuários frente ao cenário das tecnologias da informação e comunicação. Destaca a atuação deste profissional na área das ciências da saúde como agente educador incorporando sua habilidade na estratégia de busca e recuperação da informação em fontes de informação especializadas para apoio na educação continuada. Apresenta alternativa de método e técnica de estudo na elaboração de revisão da literatura para o aprimoramento profissional.</p> 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/41 Saúde mental e reforma psiquiátrica nos selos postais brasileiros 2022-06-14T18:06:13-03:00 Diego Andres Salcedo salcedo.da@gmail.com Eduarda Cristina Soares de Melo dudahmelo@hotmail.com <p>O artigo analisa a forma com a qual o selo postal contribui para o discurso sobre a saúde mental e a reforma psiquiátrica brasileira. Considera o selo postal como documento memorial e informacional. Foi um estudo exploratório e com procedimento metodológico bibliográfico e documental. O Catálogo de Selos do Brasil e a página eletrônica dos Correios do Brasil foram utilizados como recursos informacionais para identificação do corpus. Esse corpus é composto por 10 selos postais comemorativos emitidos pelos Correios do Brasil entre 1843 e 2020. Outros selos foram utilizados como ancoragem textual. O procedimento de análise possibilitou correlacionar uma regularidade do discurso em saúde com o contexto histórico brasileiro e os selos postais. Conclui-se que os selos postais permitem uma aproximação de certa perspectiva sobre a saúde mental e a reforma psiquiátrica brasileira. Indica que utilizar o selo postal para finalidades acadêmico-científicas tem um positivo apelo didático e de preservação e difusão de narrativas de lembranças e esquecimentos.</p> 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/42 Biblioterapia, saúde mental e comunicação 2022-06-14T18:08:22-03:00 Meri Nadia Marques Gerlin merinadia@hotmail.com Ricardo de Lima Chagas ricochagas@hotmail.com <p>Com o objetivo de identificar competências e habilidades necessárias à prática bibliotecária em espaços de informação, educação e cultura considera-se a contribuição da biblioterapia ao longo dos séculos até se constituir como uma estratégia de enfrentamento do sofrimento desencadeado pela pandemia, a crise sanitária mundial iniciada no final da segunda década do século XXI devido à Covid-19 (novo coronavírus). Por meio de um estudo qualitativo caracterizado como descritivo e como uma pesquisa bibliográfica realizada no âmbito da Ciência da Informação e áreas interdisciplinares, delineia-se um esquema metodológico compreendendo competências e habilidades de leitura e comunicativas. No que tange à competência leitora e ao saber fazer (habilidade) necessários ao uso de suportes com leituras informativas, literárias, entre outras modalidades destaca-se a capacidade de selecionar e disponibilizar narrativas, imagens, sons e outras linguagens (multimodalidade) que possam evocar diálogos terapêuticos e, não menos importante, leituras críticas e reflexivas durante a leitura (hiper)textual no espaço presencial e no ciberespaço. Em se tratando da competência comunicativa compreende-se a importância das suas habilidades para desencadear a interação verbal e não verbal durante os momentos biblioterapêuticos, conduzindo à acessibilidade e experimentação de uma escuta que precede o diálogo, o compartilhamento de experiências e o estabelecimento de uma situação de ajuda com base no uso de linguagens que traduzam sentimentos como o medo e a ansiedade, conduzindo ao fortalecimento da saúde mental e à resolução de problemas durante a crise sanitária. Depreende-se que tanto as competências leitora e comunicativa esquematizadas quanto o conjunto de habilidades identificadas são extremamente importantes aos processos biblioterapêuticos nas bibliotecas e noutros espaços visando o fortalecimento de uma prática bibliotecária que tende a conduzir à manutenção da saúde mental durante o cenário pandêmico.</p> 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/43 Competências necessárias no combate à desinformação 2022-06-14T18:15:41-03:00 Joao Pedro da C. Pacheco joao.p.pacheco@edu.ufes.br Meri Nadia Marques Gerlin merinadia@hotmail.com <p>Coloca-se em análise um conjunto de habilidades, conhecimentos e técnicas necessárias ao desenvolvimento das competências leitora e em informação que permitem a recuperação, compreensão e comunicação da informação (hiper)textual no ciberespaço, conduzindo à apropriação de notícias confiáveis contra a desinformação durante a crise sanitária da COVID-19. O estudo é realizado no campo da Ciência da Informação caracterizado como exploratório e descritivo, ao recorrer à pesquisa bibliográfica e ao processo de observação das atividades da Rede de Estudos das Competências da Universidade Federal do Espírito Santo que reúne, em sua maioria, docentes, bibliotecários e outros membros internos e externos à Universidade. Como resultados desta investigação, consideramos que as abordagens inter e transdisciplinares permitem fluir o diálogo e a articulação com as áreas da Biblioteconomia, Comunicação e Saúde. Identificamos a potencialidade da contribuição das novas tecnologias para o desenvolvimento das competências em leitura e em informação durante e após a pandemia (crise sanitária mundial). Em se tratando das competências estudadas, contemplam as necessidades de informação de comunidades de usuários conectados às redes digitais e sociais em diversos contextos geográficos e temporais. Com a identificação dos saberes e fazeres requeridos para a recuperação da informação confiável e utilização de ferramentas necessárias no combate à desinformação, percebemos que as ações de formação dessas competências devem contemplar conhecimentos e habilidades sobre técnicas direcionadas ao processo de acesso, avaliação crítica e uso ético dos enormes volumes de informação disponibilizados durante a crise sanitária vivida na segunda década do século XXI.</p> 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/46 A contribuição do uso de plantas medicinais na autonomia dos cuidados com a saúde 2022-06-21T13:48:17-03:00 Marta Rocha de Castro martarochaacupuntura@gmail.com <p>O uso de plantas medicinais, difundido mundialmente e utilizado há milhares de anos por populações tradicionais e povos originários é oficializado no Brasil com a criação da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e a inclusão dessa prática no sistema oficial de saúde no Brasil. A política entre outros objetivos valoriza o conhecimento tradicional e popular do uso de plantas e possibilita outra forma de cuidado, baseado em relações mais horizontais, trocas de conheciemtno além de incentivar outra abordagem de cuidado e do processo saúde\ doença. O presente artigo traz uma reflexão sobre os diferentes significados da saúde e do cuidado e como o uso de plantas medicinais no SUS pode contribuir com o autocuidado\ autoatenção das pessoas. Para enriquecer a discussão, trouxemos trechos de entrvistas feitas com agentes importantes na criação e desenvolvimento da PNPMF sobre o tema. Concluímos que a inclusão do uso de plantas no SUS têm grandes possibilidades de fomentar a transmissão e a valorização do conhecimento tradicional de contribuir com outras as práticas de cuidado, em decorrência de atuar de forma a promover o cultivo, a produção dos remédios caseiros, possibilidades mais efetivas de mudanças nas práticas de cuidado, reduzindo o protagonismo dos procedimentos biomédicos ou, pelo menos, ofertando outras possibilidades de tratamentos, além de fomentar o autocuidado das pessoas.</p> 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/47 O jornalismo científico como agente de aproximação entre a ciência e a sociedade 2022-06-21T13:41:57-03:00 Edna Carvalho da Cunha comunicar.mcz@gmail.com Zaqueu Jhônathas Santos da Silva zaqueu.silva@fanut.ufal.br Magnólia Rejane Andrade dos Santos magnolia@reitoria.ufal.br <p class="ResumoAbstract"><span class="e24kjd"><span lang="ES" style="color: black;">O presente artigo trata do jornalismo científico e da sua importância como agente de aproximação na propagação da ciência e no que tange à relação entre público leigo e resultados de pesquisas científicas. Longe de esgotar o assunto, o estudo não tem a pretensão de ser conclusivo, mas objetiva mostrar que este ramo do jornalismo contribui na propagação da informação científica de modo a esclarecer o usuário da informação sobre resultados de produções científicas, os impactos que estas causam e os benefícios que elas podem trazer com sua aplicabilidade. A repercussão de assuntos ligados à pesquisa científica através do jornalismo científico também é abordada no artigo, usando como exemplo as informações jornalísticas sobre a polêmica entre os cientistas Luc Montaigner do Instituto Pasteur na França e Robert Charles Gallo do Instituto Nacional de Saúde, que na década de 80 disputaram a descoberta do Vírus </span></span><span lang="ES" style="background: white;">da Imunodeficiência Humana – HIV (AIDS). </span><span class="e24kjd"><span lang="ES" style="color: black;">A metodologia do trabalho consistiu em pesquisas bibliográfica e hemerográfica a fim de munir o estudo com pertinentes informação sobre o tema.</span></span></p> 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/48 Educação, socialização e tecnologia 2022-06-17T10:12:12-03:00 Clóvis Ricardo Montenegro de Lima clovismlima@gmail.com Maribel da Rosa Andrade maribelbelle@gmail.com Barbara Coelho Neves babi.coelho7@gmail.com Lucia Helena Fialho Pereira da Silveira luciafialho1972@gmail.com <p>Neste artigo discute-se o ensino remoto nas escolas públicas brasileiras durante a pandemia da Covid-19 entre o início de 2020 e o início de 2022. A suspensão das aulas presenciais foi uma medida sanitária necessária para controlar e reduzir a difusão dos coronavírus. O eixo da discussão é investigar a relação entre educação e tecnologia na socialização de crianças e adolescentes. O artigo inicia com uma abordagem crítica da função socializadora das escolas. Destaca-se as referências ao trabalho de Nadja Hermann e George Mead. A seguir faz-se uma discussão do lugar das tecnologias na educação, particularmente as tecnologias digitais. Nesta parte do artigo faz-se referência a Paulo Freire. Por fim, discute-se as consequências da pandemia da Covid-19 no ensino de crianças e adolescentes. Entre elas destaca-se déficits de aprendizagem, problemas na socialização e evasão escolar. Cabe destacar que as desigualdades sociais resultam em distinções nas consequências da pandemia. Conclui-se que abordar e enfrentar consequências da pandemia na socialização de crianças e adolescentes deve fazer parte da agenda das políticas públicas.</p> 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/49 Apresentação 2022-06-28T14:11:56-03:00 Clóvis Ricardo Montenegro de Lima clovismlima@gmail.com 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/50 Preface 2022-06-28T14:13:03-03:00 Clóvis Ricardo Montenegro de Lima clovismlima@gmail.com 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/51 Expediente 2022-06-28T14:14:09-03:00 Clóvis Ricardo Montenegro de Lima clovismlima@gmail.com 2022-06-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Asklepion: Informação em Saúde