Classificações, terminologias e ontologias no campo da saúde

Autores

  • Maria Cristiane Barbosa Galvão Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Classificação, Terminologia, Ontologia, Saúde, Brasil

Resumo

Considerando problemas ocorridos no cenário brasileiro durante a pandemia de Covid-19, buscou-se apresentar as funcionalidades básicas de classificações, terminologias e ontologias empregadas no campo da saúde, a fim de responder as seguintes questões: Qual escopo cobrem e para que são usadas? Quais são seus elementos constituintes? Quais são seus contextos de uso? Quais profissionais as empregam? Para atingir esse objetivo e responder tais questões, desenvolveu-se um estudo descritivo a partir de documentos oficiais dessas linguagens. Descreveu-se a Systematized Nomenclature of Medicine Clinical Terms (SNOMED CT); a Logical Observation Identifiers Names and Codes (LOINC); a Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID); a Classificação Internacional de Atenção Primária (CIAP); a Tabela de Procedimentos do Sistema Único de Saúde; a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM); a Terminologia Unificada da Saúde Suplementar (TUSS); a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF); a NANDA International Nursing Diagnoses: definitions and classification (NANDA-I); a Classificação Internacional da Prática de Enfermagem (CIPE); e os Descritores em Ciências da Saúde (DeCS). Ressalta-se que as classificações, terminologias e ontologias do campo da saúde são desenvolvidas por instituições de referência internacional e nacional. Elas apresentam escopos bem delimitados a serem empregados em situações comunicacionais bem estabelecidas seja por equipes disciplinares seja por equipes interdisciplinares. Para evitar qualquer tipo de desvio no emprego das classificações, terminologias e ontologias do campo da saúde, é fundamental que os estudantes, profissionais, gestores e pesquisadores do campo da saúde recebam formação e treinamento continuado sobre essas temáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristiane Barbosa Galvão, Universidade de São Paulo

Professora Doutora da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

Referências

ALVES, Cecília; LARA, Rafaela. Prevent Senior: diretor admite alteração em código de diagnóstico e vira investigado. CNN Brasil, 22 set. 2021. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/politica/diretor-da-prevent-senior-admite-alteracao-em-codigo-de-diagnostico-e-se-torna-investigado/ Acesso em: 23 set. 2021.

BOEIRA, Suzana; DAL MOLIN, Rossano Sartoni; BALTAZAR, Ecleia Mota. Educação permanente para a qualificação do processo de enfermagem com o uso de terminologia padronizada de enfermagem. IN: DAL MOLIN, Rossano Sartori. Enfermagem: inovação, tecnologia e educação em saúde. [S.l.]: Editora Científica Digital, 2020. Disponível em: https://downloads.editoracientifica.org/articles/200800806.pdf

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Resolução Normativa no. 305, de 9 de outubro de 2012. Estabelece o Padrão obrigatório para Troca de Informações na Saúde Suplementar - Padrão TISS dos dados de atenção à saúde dos beneficiários de Plano Privado de Assistência à Saúde. Disponível em: https://www.ans.gov.br/component/legislacao/?view=legislacao&task=TextoLei&format=raw&id=MjI2OA== Acesso em: 23 set. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS Nº 2.848, de 6 de novembro de 2007. Publica a Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais - OPM do Sistema Único de Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt2848_06_11_2007.html

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.073, de 31 de agosto de 2011. Regulamenta o uso de padrões de interoperabilidade e informação em saúde para sistemas de informação em saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde, nos níveis Municipal, Distrital, Estadual e Federal, e para os sistemas privados e do setor de saúde suplementar. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2073_31_08_2011.html Acesso em: 23 set. 2021.

CINTRA, Ana Maria et al. Para entender as linguagens documentárias. São Paulo: Polis: APB, 1994.

GALVÃO, M. C. B.; RICARTE, I. L. M. A Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-11): características, inovações e desafios para implementação. Asklepion: Informação em Saúde, v. 1, n. 1, p. 104–118, 2021. Disponível em: https://revistaasklepion.emnuvens.com.br/asklepion/article/view/7. Acesso em: 23 set. 2021.

NANDA International. Diagnósticos de Enfermagem da Nanda: definições e classificação 2018-2020. 10a ed. Porto Alegre: Artmed; 2018.

ORGANIZAÇÃO Mundial da Saúde. Como usar a CIF: Um manual prático para o uso da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). Versão preliminar para discussão. Genebra: OMS, 2013.

Downloads

Publicado

2021-10-25

Como Citar

Galvão, M. C. B. (2021). Classificações, terminologias e ontologias no campo da saúde. Asklepion: Informação Em Saúde, 1(2), 41–54. Recuperado de https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/26

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.