A tipologia das fontes de informação em saúde

suporte à tomada de decisão

Autores

  • Amanda Damasceno de Souza Hospital Felício Rocho
  • Célia Maria de Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Fernanda Farinelli Universidade Federal de Minas Gerais
  • Eduardo Ribeiro Felipe Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Campus Itabira
  • Edcleyton Bruno Fernandes da Silva Universidade Federal de Minas Gerais
  • Selme Silqueira de Matos Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Saúde Baseada em Evidências, Fontes de informação em saúde, Tipos de fontes de informação

Resumo

Objetivo: Apresentar subsídios teóricos a respeito das tipologias de fontes das informações em saúde usadas no suporte à tomada de decisão em saúde, com uma visão geral das tipologias, suas finalidades, onde encontrar cada tipo de informação e exemplos. Trata-se de pesquisa bibliográfica documental com revisão de literatura sobre vários conceitos e definições, tais como fontes primárias, secundárias e terciárias em contexto digital. Exemplifica as fontes de informação em saúde que fornecem embasamento à prática baseada em evidências. Considerações finais: Os exemplos apresentados neste estudo demonstram a riqueza e diversidade de fontes de informação primárias, secundárias e terciárias da área de saúde que podem ser utilizadas de maneira efetiva e eficiente pelos profissionais de saúde. A medicina baseada em evidências utiliza evidências científicas na tomada de decisões sobre o cuidado individual do paciente, portanto, é imprescindível o manejo correto das fontes de informação em saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Damasceno de Souza, Hospital Felício Rocho

Doutora em Gestão e Organização do Conhecimento pelo PPG-GOC da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (2021). Mestre em Ciência da Informação pela Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (ECI/UFMG) (2016). Especialista em Gestão Estratégica da Informação pela ECI/UFMG (2013). Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Minas Gerais (ECI/UFMG) (2005).membro do Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Recursos, Serviços e Práxis Informacionais (NERSI). Membro do grupo de pesquisa Representação do Conhecimento, Ontologias e Linguagem (ReCOL). Membro do Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Felício Rocho (Desde 2016). Vice-Coordenadora do Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Felício Rocho (desde 2020).

Célia Maria de Oliveira , Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1992), mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004) e doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal de Minas Gerais (2012). Atualmente é Professora Adjunto C do Departamento de Enfermagem Básica da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais. É membro da diretoria da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor. Coordena o Comitê de Dor do Consórcio Acadêmico Brasileiro de Saúde Integrativa (CABSIN).

Fernanda Farinelli , Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Gestão e Organização do Conhecimento pela Escola de Ciência da Informação da UFMG pesquisando o tema ontologias formais realistas como solução de integração semântica de dados. Ontologista responsável pelo projeto da OntONeo (Ontologia do domínio obstétrico e neonatal). Pós-doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, em sua área de concentração ?Linguística Teórica e Descritiva?, linha de pesquisa de ?Estudos Linguísticos baseados em Corpora?, da Faculdade De Letras (UFMG). Pós-doutorado na Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP-Marília entre 08/2018 à 02/2019. Atuou como pesquisadora visitante no Departamento de Filosofia e no Departamento de Informática Biomédica da Universidade Estadual de Nova York em Buffalo. Mestre em Administração de Empresas com ênfase em Gestão estratégica da informação (Fundação Pedro Leopoldo/MG). Especialista em Banco de Dados (UNI-BH). Bacharel em Ciência da Computação (PUC-MG). Possui mais de 15 anos de experiência em Gestão de Dados atuando com administração de banco de dados, arquitetura e administração de dados e implantação de governança de dados em grandes empresas como Unisys Brasil, Cedro Têxtil, Prodemge. Atua há cerca de 15 anos como docente em cursos de graduação e pós-graduação em renomadas instituições de ensino no estado de Minas Gerais como PUC-MG, IEC, Fundação Pedro Leopoldo, Universidade de Itaúna, Faculdade Cotemig, Unipac e IGTI. Possui as certificações CDMP, CBIP, CDP e OCP.

Eduardo Ribeiro Felipe , Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Campus Itabira

Professor Adjunto na Universidade Federal de Itajubá, é doutor em Gestão e Organização do Conhecimento, Mestre em Ciência da Informação pela UFMG e Analista de Tecnologia da Informação na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri em Minas Gerais. Possui graduação como Tecnólogo em Processamento de Dados pelo Centro Universitário Newton Paiva e pós-graduação em Engenharia de Software pela PUC-Minas. Atua nas áreas de Linguagens de Programação, Desenvolvimento Web, Recuperação da Informação e Ontologias.

Edcleyton Bruno Fernandes da Silva , Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Gestão & Organização do Conhecimento da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGGOC/UFMG) Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (2017), Graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal da Paraíba (2011).

Selme Silqueira de Matos , Universidade Federal de Minas Gerais

Possui Graduação em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais-PUC-MINAS(1977),Mestrado em enfermagem (1997)e Doutorado em Enfermagem (2009)pela Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais- EEUFMG.Profa Aposentada como Associada 2 da EEUFMG onde foi lotada nas disciplinas Fundamentos de Enfermagem ,Prevenção e tratamento de pessoas com lesão cutânea ,Enfermagem Médico Cirúrgica , Enfermagem de Média e alta complexidade ,comunicação escrita das acções de Enfermagem. Foi Coordenadora do Curso de Especialização em Enfermagem em transplantes de órgão e Tecidos(2000-2012) .Foi sub chefe e chefe de Departamento de Enfermagem Básica-ENB da EEUFMG em quatro gestões e Sub Coordenadora e Coordenadora do Colegiado de Curso de Enfermagem da EEUFMG. Atuamente é docente colaboradora como orientadora no Mestrado Profissional desta Escola ,coordenadora da área de Gestão da Qualidade em Saúde e Enfermagem do Curso de Especialização em Estratégia do Cuidar em Enfemagem- EEUFMG, Membro do Núcleo de Pesquisa Prática Baseada em Evidências /NEPEBE-EEUFMG.É Orientadora no Curso de Especialização em Saúde da Família/NESCON na Faculdade de Medicina da UFMG.

Referências

ALMEIDA, M.B. Revisiting ontologies: A necessary clarification. Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 64, n. 8, p. 1682–1693, ago. 2013.

ALMEIDA, M.B. Uma abordagem integrada sobre ontologias: Ciência da Informação, Ciência da Computação e Filosofia. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 19, n. 3, p. 242–258, set. 2014. https://doi.org/10.1590/1981-5344/1736.

ARAUJO, N. C.; FACHIN, J. Evolução das fontes de informação. BIBLOS - Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, v. 29, n. 1, 2015. Disponível em: <http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/23206>. Acesso em: 20 fev. 2021.

BAGGIO, C. C.; COSTA, H.; BLATTMANN, U. Seleção de tipos de fontes de informação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 6, n. 2, p. 32-47, 2016. Disponível em: <http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/50946>. Acesso em: 20 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento. Avaliação de tecnologias em saúde: ferramentas para a gestão do SUS. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. 110 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos)

BIREME - OPAS – OMS. Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde Área de Gestão do Conhecimento e Comunicação. Tipologia das fontes de informação. São Paulo: BIREME - OPAS – OMS, 2021. Disponível em: https://lilacs.bvsalud.org/sessoes-virtuais-lilacs/capacitacao-sobre-as-fontes-de-informacao-da-bvs-para-a-rede-brasileira-de-informacao-em-ciencias-da-saude-2021/http://guiabvs2011.bvsalud.org/operacao-da-bvs/redes-de-conteudos/tipologia-das-fontes-de-informacao/. Acesso 9 ago. 2021

BODENREIDER, O. Biomedical ontologies in action: role in knowledge management, data integration and decision support. Yearbook of medical informatics, p. 67–79, 2008.

BERNARDO, W. M.; NOBRE, M. R. C.; JATENE, F. B. A prática clínica baseada em evidências: parte II-buscando as evidências em fontes de informação. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 44, p. 403-409, 2004.

CAMPOS, M.L.M.; CAMPOS, M.L.A.; CAMPOS L.M. Web semântica e a gestão de conteúdos informacionais. In: MARCONDES, C. H.; et al. (Org.). Bibliotecas digitais: saberes e práticas. 2. ed. Salvador: Ed. da Universidade Federal da Bahia; Brasília, DF: Ibict, 2006. p.55-72.

CUNHA, M.B. Manual de fontes de informação. Brasília: Brinquet de Lemos, 2020.

CURRÁS, E. Tesauros: linguagens terminológicas. Brasília: IBICT, 1995. 286 p.

DRUMMOND, J.P.; SILVA, E. Medicina baseada em evidências: novo paradigma assistencial e pedagógico. São Paulo: Atheneu, 1998.

LOPES, A.A. Medicina baseada em evidências: a arte de aplicar o conhecimento científico na prática clínica. Revista da Associação Médica Brasileira, v.46, n.3, p.285-288, 2000.

EBELL, M. H. et al. How good is the evidence to support primary care practice? BMJ Evidence-Based Medicine. v. 22, p. 88-92, 2017.

FACHIN, J.; ARAUJO, N. C. Fontes de informação especializadas de acesso aberto. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 28, n. 3, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1809-4783.2018v28n3.38421 Acesso em: 20 fev. 2021.

FARINELLI, F.; et al. OntONeo: The Obstetric and Neonatal Ontology. p. 7, 2016.

FARINELLI, F.; ALMEIDA, M.B. Ontologias biomédicas: teoria e prática., p. 49, [s. d.]. 2019.

FELIPE, E. R. A expansão de queries sobre terminologias biomédicas: uma comparação de artefatos de representação do conhecimento para Recuperação de Informações. 2020. 168 f. Tese (Doutorado em Gestão e Organização do Conhecimento) Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/34313. Acesso em: 15 dez. 2021.

GALAVOTE, H.S. et al. O trabalho do enfermeiro na atenção primária à saúde. Escola Anna Nery [Internet] v. 20, n. 1, p. 90-98, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ean/a/8QsxZbDLnCWWBN6zQVwjbxL/?lang=pt&format=pdf. http://dx.doi. org/10.5935/1414-8145.20160013. Acesso em 16 Dez 2019.

GARSHOL, L M. Metadata? Thesauri? Taxonomies? Topic Maps! Making Sense Of It All. Journal of Information Science, v.30, n. 4, p. 378-91. Disponivel em: http://www.ontopia.net/topicmaps/materials/tm-vs-thesauri.html.2004. Acesso em out 2014

GRUBER, T. R. A Translation Approach to Portable Ontologies. Knowledge

Acquisition, v.5, n.2, p.199–220, 1993.

GUINCHAT, C; MENOU, M. As bibliografias e as obras de referência: a literatura secundária. In: GUINCHAT, C; MENOU, M. Introdução geral às ciências e técnicas da informação e documentação.2. ed. Tradução de Míriam Vieira da Cunha. Brasília: MCT/CNPq/IBICT, 1994, p.65-81.

IBICT. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações. 2021. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/. Acesso em: 20 dez. 2021.

IBICT. oasisbr Portal Brasileiro de publicações científicas em acesso aberto. 2021. Disponível em: https://oasisbr.ibict.br/vufind/. Acesso em: 20 dez. 2021.

JACKSON, R. C. et al. OBO Foundry in 2021: Operationalizing Open Data Principles to Evaluate Ontologies. bioRxiv, 2021. Disponível em: <http://biorxiv.org/content/early/2021/06/02/2021.06.01.446587.abstract>.

JENICEK, Michel. Epidemiology, evidence-based medicine, and evidence-based public health. Journal of Epidemiology, v.7, p.187-197, 1997.

LA REFERENCIA. Red de repositorios de acceso abierto a la ciencia. Disponível em: https://www.lareferencia.info/pt/servicios/tecnologia. Acesso em: 20 dez. 2021.

LANCASTER, F.W. Indexação e resumos: teoria e prática.2.ed. Trad. Antônio Agenor. Brasília, DF: Briquete de Lemos, 2004.

LEMOS, D.L.S.; SOUZA, R.R. Knowledge Organization Systems for the Representation of Multimedia Resources on the Web: A Comparative Analysis. Knowledge Organization, v.47, n.4, p. 300-319, 2020.

MASLOVE, D. M. Medical preprints—a debate worth having. JAMA, v. 319, n. 5, p. 443-444, 2018.

MENDES, E. T. B.; et al. Trabalhando com materiais diversos e exercitando o domínio da leitura: a pesquisa bibliográfica e a pesquisa documental. In: NÓBREGA-THERRIEN, S. M.; FARIAS, I. M. S.; NUNES, J. B. C. Pesquisa científica para iniciantes: caminhando no labirinto. v. 3. Fortaleza: EdUECE, 2011. p. 25-42.

MENDONÇA, F.M.; ALMEIDA, M.B. OntoForInfoScience: A detailed methodology for construction of ontologies and its application in the blood domain. Brazilian Journal of Information Science, Marília, v. 10, n. 1, 1 mar. 2016. Disponível em: http://revistas.marilia.unesp.br/index.php/bjis/article/view/5426. Acesso em 09 out 2020.

MUELLER, S. P. M. A ciência, o sistema de comunicação científica e a literatura científica. In: CAMPELLO, B. S.; CENDÓN, B. V.; KREMER, J. M. (Org.) Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000. 3

OKUNO, M.F.P.; BELASCO, A.; BARBOSA, D. Evolução da pesquisa em enfermagem até a Prática Baseada em Evidências. In: BARBOSA, D.; et al. Enfermagem Baseada em Evidências. São Paulo: Atheneu, 2014. p.1-7.

OLIVEIRA, J.P.; ALMEIDA, M.B.; SOUZA, R.R. Fontes de informação especializada em ciências da saúde: análise de características e proposta de critérios para avaliação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 16. 2015, João Pessoa. Anais ... João Pessoa: UFPB, 2015. Disponível em : http://www.ufpb.br/evento/index.php/enancib2015/enancib2015/paper/viewFile/3104/1273. Acesso em 10 jan. 2021.

OPEN ARCHIVES INITIATIVE (OAI). 2021. Disponível em: https://www.openarchives.org. Acesso em: 20 dez. 2021.

PINHEIRO, L. V. R. Fontes ou recursos de informação: categorias e evolução conceitual. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, v. 1, n. 1, 2006.

Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/27204. Acesso em: 08 jan. 2022.

POBLACIÓN, D. A. Literatura cinzenta ou não convencional: um desafio a ser enfrentado. Ciência da Informação, v. 21, n. 3, 1992.

RODRIGUES, R.J. Information systems: the key to evidence-based health practice. Bulletin of the World Health Organization, Geneve, v. 78, n. 11, p. 1344-1351, 2000.

ROMÁN, A. Utilización de evidencia científica para la elaboración de guias de práctica clinica. Medware, v.12, n.7, p.54-57, 2012.

SACKETT, D. L. et al. Medicina baseada em evidências: prática e ensino. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2003.

SACKETT, D.L. Using Evidence-based medicine to help physicians keep up-to-date. Serials, v.9, n.2, p.178-181, 1996.

SAVI, M. G. M.; SILVA, E.L. O fluxo da informação na prática clínica dos médicos residentes: análise na perspectiva da medicina baseada em evidências. Ciência da Informação, Brasília, v.38, n.3, p.177-191, 2009.

SILVA, F. C. C. A atuação do bibliotecário médico e sua interação com os profissionais da saúde para busca e seleção de informação especializada. Revista Digital de Biblioteconomia & Ciência da Informação, Campinas, v. 3, n. 2, p. 131-151, 2005. DOI: 10.20396/rdbci.v3i1.2057 Acesso em: 20 fev. 2021.

SILVA, D. L.; SOUZA, R.R.; ALMEIDA, M.B. Ontologies and Controlled Vocabulary: Comparison of Building Methodologies. In: SMOLNIK, S.; TEUTEBERG, F.; THOMAS, O. (Eds). Semantic Technologies for Business and Information Systems Engineering: Concepts and Applications. Hershey, PA: IGI Global, 2012.cap.1, p.1-15. Disponível em: http://services.igi-global.com/resolvedoi/resolve.aspx?doi=10.4018/978-1-60960-126-3. Acesso em 09 out 2020.

SMITH, B. et al. “The OBO Foundry: coordinated evolution of ontologies to support biomedical data integration”. Nature Biotechnology, v. 25, n. 11, p. 1251-1255, 2007.

SOUZA, A. D. O discurso na prática clínica e as terminologias de padronização: investigando a conexão. 286f. Tese. (Doutorado em Gestão e Organização do Conhecimento) Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Ciência da Informação, Pós-Graduação em Gestão e Organização do Conhecimento, Belo Horizonte, 2021.

SOUZA, A.D. Sistematização do processo de criação de definições formais em ontologias biomédicas: uma investigação no domínio das leucemias mieloides agudas. 2015. 180 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, 2015.

SUSSER, M.W. Pioneering community-oriented primary care. Bulletin of the World Health Organization , v.77, n.5, p.436-438, 1999.

VICKERY, B. C. Ontologies. Journal of Information Science, v. 23, n. 4, p. 277–286, ago. 1997.

VITAL, L.P.; CAFÉ, L.M.A. Ontologias e taxonomias: diferentes. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 16, n. 2, p. 115-30, abr./jun. 2011.

VIGHNESH, D. Grey literature and their sources. Cochrane Blog. online. 27/05/2021.Disponível em: https://s4be.cochrane.org/blog/2021/05/07/grey-literature-and-their-sources/. Acesso em: 26 dez 2021.

vuFind. Disponível em: https://vufind.org/vufind/. Acesso em 20 dez. 2021.

YU, L. A developer’s guide to the semantic web. Berlin: Springer, 2011.

Downloads

Publicado

2022-06-28

Como Citar

Souza, A. D. de, Oliveira , C. M. de ., Farinelli , F. ., Felipe , E. R. ., Silva , E. B. F. da ., & Matos , S. S. de . (2022). A tipologia das fontes de informação em saúde: suporte à tomada de decisão. Asklepion: Informação Em Saúde, 2(1), 51–74. Recuperado de https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/38