A função do bibliotecário de referência nas revisões de literatura em ciências da saúde o

prática, necessidade, apoio e inspiração

Autores

  • Roberto Unger UFRJ

Palavras-chave:

bibliotecário de referência, necessidades informacionais, usuário, pesquisa bibliográfica, educação continuada, pessoal de saúde, atualização profissional

Resumo

O bibliotecário de referência é o profissional da informação habilitado para atendimento ao usuário e suporte à pesquisa, este papel ganha contornos estratégicos com a intensidade da demanda das necessidades informacionais, a atualização e capacitação profissional dos usuários frente ao cenário das tecnologias da informação e comunicação. Destaca a atuação deste profissional na área das ciências da saúde como agente educador incorporando sua habilidade na estratégia de busca e recuperação da informação em fontes de informação especializadas para apoio na educação continuada. Apresenta alternativa de método e técnica de estudo na elaboração de revisão da literatura para o aprimoramento profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

ANTUNES, Maria da Luz; LOPES, Carlos. Revisões sistemáticas e meta-análises: a capacitação requerida aos profissionais de saúde. Jornadas APDIS, 2020.

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Fundamentos teóricos da classificação. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 11, n. 22, p. 117-140, 2006.

ASSOCIATION OF COLLEGE AND RESEARCH LIBRARY – ACLR. Roles and strenghts of teching librarians. Chicago: ACLR, 2017. Disponível em: https://www.ala.org/acrl/standards/teachinglibrarians. Acesso em: 17 jun. 2021.

BECK, Susan J. Reflections of a reference librarian. Reference & User Services Quarterly, p. 305-309, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política de Educação Permanente e Desenvolvimento para o SUS: caminhos para educação permanente em saúde. Brasília, DF, 2004a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 198 GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Diário Oficial da União, 13 fev. 2004b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.996 GM/MS, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saú¬de. Diário Oficial da União, 20 ago. 2007.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Brasília, DF, 1998.

BUCKLAND, Michael Keeble. Information as thing. Journal of the American Society for Information Science (JASIS), v.45, n.5, p.351-360, 1991.

CAMPELLO, Bernadete. Del trabajo de referencia hasta la alfabetización informativa: la evolución del papel educativo del bibliotecário. Investigación bibliotecológica, v. 24, n. 50, p. 83-108, enero-abril 2010.

CARVALHO, Yuri Mariano. Do velho ao novo: a revisão da literatura como método de fazer ciência. Revista Thema, v. 16, n. 4, p. 923-928, 2019.

COOPER, Harris. Scientific guidelines for conducting integrative literature reviews. Review of Educational Research, v. 52, n. 2, p. 291-302, 1982.

COSTA, Patrícia Pol. Dos projetos à política pública, reconstruindo a história da educação permanente em saúde. 2006. 102f. (Dissertação – Mestrado) – Escola Nacional de Saúde Pública. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006.

DAHLBER, Ingetraut. Brief communication: what is knowledge organization? Knowledge Organization., v. 41, n. 1, p. 85-9, 2014.

FIGUEIREDO, Nice Menezes de. Textos avançados em referência e informação. São

Paulo: Polis, 1996.

FOSKETT, Antony Charles. A abordagem temática da informação. São Paulo: Polígono; Brasília, DF: UnB, 1973.

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO – FAPESP. Código de boas práticas científicas. São Paulo, 2014.

GALVÃO, Cristina Maria; SAWADA, Namie Okino; MENDES, Isabel Amélia Costa. A busca das melhores evidências. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 37, n. 4, p. 43-50, 2003.

GOMES, Hagar Espanha; CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. A atualidade do pensamento de Ranganathan: princípios para a organização de domínios do conhecimento. In: LUCAS, Elaine R. O.; CORRÊA, Elisa C. D.; EGGERT-STEINDEL, Gisela (orgs.). As contribuições de Ranganathan para a biblioteconomia: reflexões e desafios. São Paulo: FEBAB, 2016. p. 108-125.

GREEN, Samuel Swett. Personal relations between librarians and readers. Library journal, v. 1, n. 2, p. 74-81, 1876. Disponível em: http://pacificreference.pbworks.com/f/Personal%20Relations%20Between%20Librarians%20and%20Readers.pdf. Acesso em: 17 jun. 2021.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. 5.ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

LE CODIAC, Yves-François. A ciência da informação. Brasília, DF: Briquet de

Lemos/Livros, 1996.

MENDES, Karina Dal Sasso; SILVEIRA, Renata Cristina de Campos Pereira; GALVÃO, Cristina Maria. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 17, n. 4, p. 758-764, out/dez. 2008.

MOREIRA, Walter. Revisão da literatura e conhecimento científico: conceitos e estratégias para confecção. Janus, v. 1, n. 1, p. 20-30, 2004.

ORNELLAS, Regina da Silva; TAKAOKA, Hiroo. Qualidade da informação: divergências no entendimento e propostas de novas construções conceituais. Revista PRISMA.COM, n. 19, p. 142-169, 2012.

QUEIROZ, Claudete Fernandes de.; ARAÚJO, Luciana D. Bibliotecário de repositórios. In: SILVA, Fabiano Couto Corrêa (org.). O perfil das novas competências na atuação bibliotecária. Florianópolis: Rocha, 2020. p. 133-163.

RADER, Hannelore B. Alfabetización informacional en el entorno del servicio de referencia: preparándonos para el futuro. Anales de documentación, n. 3, p. 209-216, 2000.

RIBEIRO, Raimunda de Jesus Araujo; VETTER, Silvana Maria de Jesus. Perfil do bibliotecário de referência em bibliotecas universitárias na sociedade digital. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 15, São Paulo. [Trabalho oral]. São Paulo: CRUESP, 2008.

ROMAN, Arlete Regina; FRIEDLANDER, Maria Romana. Revisão integrativa de pesquisa aplicada à enfermagem. Cogitare Enferm., v. 3, n. , p. 109-112, jul./dez. 1998.

SANTIN, Dirce Maria. Bibliotecário de referência. In: SIVA, Fabiano Couto Corrêa (org.). O perfil das novas competências na atuação bibliotecária. Florianópolis: Rocha Editora, 2020. p. 15-48.

SANTOS; Cristina Mamédio da Costa; PIMENTA, Cibele Andrucioli de Mattos.; NOBRE, Moacyr Roberto Cuce. A estratégia PICO para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Revista Latino-americana de Enfermagem, v. 15, n. 3, 2007.

SOUZA, Marcela Tavares de; SILVA, Michelly Días da; CARVALHO, Rachel de. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, v. 8, n. 1 pt. 1, p. 102-106, 2010.

THIRY-CHERQUES, Hermano Roberto. Conceitos e definições: o significado em pesquisa aplicada nas ciências humanas e sociais. Rio de Janeiro: FGV, 2012.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – UFRJ. Centro de Ciências da Saúde: unidades. 2021. Disponível em: https://www.ccs.ufrj.br/unidades. Acesso em: 22 jun. 2021.

VOSGERAU, Dilmeire Sant’Anna Ramos; ROMANOVSKI, Joana Paulin. Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 14, n. 41, p. 165-189, jan./abr. 2014.

WHITTEMORE, Robin; KNAFL, Kathleen. The integrative review: updated methodology. Journal of Advanced Nursing, v. 52, n. 5, p. 546-553, 2005.

Downloads

Publicado

2022-06-28

Como Citar

Unger, R. (2022). A função do bibliotecário de referência nas revisões de literatura em ciências da saúde o: prática, necessidade, apoio e inspiração. Asklepion: Informação Em Saúde, 2(1), 75–86. Recuperado de https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/40