A importância das práticas integrativas e complementares para populações com acesso restrito aos serviços de saúde

Autores

  • Marta Rocha de Castro
  • Paulo Henrique Léda

Palavras-chave:

Práticas Integrativas e Complementares, Medicinas Tradicionais, Sus, Desigualdades Inter- Regionais, Serviços de Saúde.

Resumo

Desde 2006, no Brasil é oficial a inclusão do uso de Práticas Integrativas e Complementares no SUS, através da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares da Saúde (PNPICs), aprovada pela portaria número 971 de 03/ 05/2006. Práticas Integrativas e Complementares são terapias que têm a sua origem em outras medicinas, como nas medicinas tradicionais e homeopatia. Essas práticas operam com tecnologias leves, normalmente de baixo custo financeiro e por isso também contribuem para redução das desigualdades inter- regionais de acesso aos serviços da medicina moderna existentes no Brasil. Os avanços tecnológicos da medicina moderna tornaram onerosos os seus serviços e aprofundando ainda mais os desafios no acesso por parte da população que reside em determinados locais do país, para essas pessoas muitas vezes a alternativa de cuidado se faz através das receitas e remédios caseiros, frutos dos conhecimentos transmitidos pelas famílias e comunidade em que vivem.  O presente artigo, traz uma reflexão sobre a importância das PNICSs para o enfrentamento das desigualdades de acesso aos serviços médicos. Através de um breve relato de experiência sobre o curso de formadores de PICS organizado pela CONTAG (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura) e da UFRB (Universidade Federal do Recôncavo Baiano) para agricultores e agricultoras familiares, e também de pesquisas que tratam do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AKKARI, A. C. S. et al . Inovação tecnológica na indústria farmacêutica: diferenças entre a Europa, os EUA e os países farmaemergentes. Gestão & Produção., São Carlos, v. 23, n. 2, p. 365-380, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-530X2150-15. Acesso em: 06 nov. 2022

BERMUDEZ, J. A. Z. Remédios: saúde ou indústria? A produção de medicamentos no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1992.

BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde. Política nacional de práticas integrativas e complementares. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

CASTRO, M. R. A importância da integração dos saberes tradicionais e científicos para as práticas de cuidado em fitoterapia no SUS. 2021. 129f.Tese (Doutorado em Geografia e Meio Ambiente), Pontifícia Universidade Católica do rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/54454/54454.PDF. Acesso em: 08 nov. 2022

FAHEL, M. Desigualdades em saúde no Brasil: uma análise do acesso aos serviços de saúde por estratos ocupacionais. CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA. Belo Horizonte, 2007. Anais... Belo Horizonte: Sociedade Brasileira de Sociologia, 2007.

FONSECA, A. Â. M.; BARBOSA, S. R. C. Justiça espacial e comarcas no estado da Bahia. GeoTextos, v. 13, n. 1, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.9771/1984-5537geo.v13i1.23365. Acesso em: 30 out. 2022.

ILLICH, I. A expropriação da saúde: nêmeses da medicina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.

MARICONDA, P. R.; LACEY, H. Galileu e a ciência moderna. Cadernos de Ciências Humanas-Especiaria, v. 9, n. 16, p. 267-292, 2006. Disponível em: http://www.uesc.br/revistas/especiarias/ed16/16_2_galileu_e_a_ciencia_moderna.pdf. Acesso em: 08 nov. 2022

OLIVEIRA, M. A; LUIZA. V. L.; TAVARES, N. U.; MERENGUES, S. S.; ARRAIS, P. S, FARIAS.M.R.; PIZZO, T. D.; RAMOS, L. R.; BERTOLDI, A. D. Acesso a medicamentos para doenças crônicas no Brasil: uma abordagem multidimensional. Reverendo Saúde Pública. 2016

PAIVA, C. H. A Reforma sanitária e a criação do Sistema Único de Saúde: notas sobre contextos e autores. História, Ciência e Saúde, Manguinhos. p. 15 -35 2014. . Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-59702014000100002. Acesso em: 08 nov. 2022

PONTES, A. P. M. D.; CESSO, R. G. D.; OLIVEIRA, D. C. D.; GOMES, A. M. T. O princípio de universalidade do acesso aos serviços de saúde: o que pensam os usuários. Escola Anna Nery, v. 13, n. 3, p. 500-507, 2009. Disponível em: https://cdn.publisher.gn1.link/eean.edu.br/pdf/v13n3a07.pdf. Acesso em: 08 nov. 2022.

RIBEIRO. L.H. Território e macrossistema de saúde: os programas de fitoterapia no Sistema Único de Saúde (SUS). 2015. 305 f. Tese (Doutorado em Geociências). Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2015. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/Acervo/Detalhe/954445. Acesso em: 31 out. 2022.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EdUSP, 2006.

TELESI, E. Práticas integrativas e complementares em saúde: uma nova eficácia para o SUS. Estudos Avançados, n. 30, p. 99-112, 2016 . Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.00100007. Acesso em: 30 out. 2022.

TRAVASSOS, C. O.; VIACAVA, X. F. Desigualdades geográficas e sociais no acesso aos serviços de saúde no Brasil: 1998 e 2003. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, p. 975-986, 2006. . Disponível emhttps://doi.org/10.1590/S1413-81232006000400019. Acesso em: 30 out. 2022.

Publicado

2022-11-18

Como Citar

CASTRO, M. R. de; LÉDA, P. H. A importância das práticas integrativas e complementares para populações com acesso restrito aos serviços de saúde. Asklepion: Informação em Saúde, Rio de Janeiro, RJ, v. 2, p. 105–113, 2022. Disponível em: https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/66. Acesso em: 8 dez. 2022.