Protocolo para dimensionamento de enfermagem na qualidade da assistência ao paciente crítico

Autores

  • Renata Clara Ferreira da Silva Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)
  • Antonio Rodrigues de Andrade Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Palavras-chave:

Dimensionamento, Indicadores, Terapia Intensiva, Protocolo, Enfermagem.

Resumo

Propósito: Este estudo teve por objetivo a criação de uma tecnologia assistencial na forma de protocolo com intuito de elaborar um Protocolo de Dimensionamento da equipe de Enfermagem aplicado pelo enfermeiro assistencial da UTI para confecção de escala diária de cuidado de forma sistematizada objetivando assistir de forma segura, garantindo qualidade aos 10 pacientes internados. Metodologia: Para construção do estudo, inicialmente, para fins de embasamento teórico realizou-se uma revisão integrativa da literatura que objetivou o levantamento de materiais e instrumentos sobre o uso de indicadores e suas aplicações para o adequado dimensionamento da equipe de enfermagem nas diversas unidades hospitalares, posteriormente um estudo de caso no cenário da pesquisa para identificação das possíveis variáveis que poderiam interferir na qualidade da assistência prestada e a partir dos mesmos a construção de indicadores que auxiliam neste monitoramento;  Por fim elaborou-se o Protocolo para dimensionamento da equipe de enfermagem com o intuito de subsidiar de forma padronizada a confecção da escala diária de cuidados de enfermagem aos pacientes da UTI. Resultados: Através da revisão integrativa de literatura observou-se o aumento de produções científicas a cerca de Segurança e Qualidade de assistência prestada por volta dos anos 2010 fato que pode estar relacionado com a criação do Programa Nacional de Segurança do Paciente em 2013. Foi evidenciado o uso crescente de indicadores para medir a qualidade, assim como a monitorização e registro do padrão de desempenho e funcionamento das UTI; por meio do estudo de caso foram gerados: 01 indicador econômico-financeiro, 01 indicador gerencial e 02 indicadores de qualidade. Por fim, através do uso do protocolo espera-se a sistematização do dimensionamento e distribuição diária do pessoal de enfermagem em busca de melhores práticas assistenciais e de gestão por meio de metodologias embasadas. Conclusões: O uso de escalas para classificação de pacientes, indicadores e de protocolos assistenciais podem contribuir fortemente para a melhoria da qualidade da assistência de enfermagem, evitando desgastes e danos ao trabalhador e redução de falhas na assistência decorrentes de dimensionamento de enfermagem quantiqualitativo inadequado. Através do uso do Protocolo de Dimensionamento de Enfermagem na UTI espera-se a sistematização do dimensionamento e da distribuição diária de pessoa de enfermagem para os cuidados de enfermagem em busca de melhores práticas assistenciais e de gestão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Clara Ferreira da Silva, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Mestre em Saúde e Tecnologia do Espaço Hospitalar, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Enfermeira, Ministério da Saúde (MS), Rio de Janeiro, RJ, Brasil

http://lattes.cnpq.br/2786412671153331

Antonio Rodrigues de Andrade, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Doutorado em Engenharia de Transporte, PET/COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Professor do Departamento de Ciências Sociais e do Programa de Pós-graduação em Saúde e Tecnologia em Espaços Hospitalares, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

URL: http://lattes.cnpq.br/5480244280801729

 

Referências

ANVISA. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução da diretoria colegiada – RDC nº 7de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0007_24_02_2010.html. Acesso em: 16/07/2019.

BITTAR, O. J. N. V. (2000). Gestão de processos e certificação para qualidade em saúde. Revista da Associação Médica Brasileira [online], v. 46, n. 1 pp. 70-76. https://doi.org/10.1590/S0104-42302000000100011. Acesso em: 13/06/2022.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466 de 12 de dezembro de 2012. Brasília, DF, 2012. Disponível em:https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf> . Acesso em 13/09/2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 510 de 07 de abril de 2016. Brasília, DF, 2016. Disponível em:https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html. Acesso em 13/09/2020.

BRASIL. Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos do Instituto Federal Catarinense.Tabela de Riscos e Providências para minimizar os riscos para os participantes de pesquisa. 2016. Disponível em: https://cepsh.ifc.edu.br/wp-content/uploads/sites/24/2016/05/TABELA_RISCOS_PROVIDENCIAS.pdf>. Acesso em 13/09/2020.

CASTELLÕES, T.M.F.W; SILVA, L.D. (2007). Guia de cuidados de enfermagem na prevenção de extubação acidental. Rev. Bras Enferm. 2007; 60(16): 106-9. Disponível: https://www.scielo.br/j/reben/a/y4vS5htNzf7L5syCMmthp8b/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 13/07/2022.

CATUNDA, H. L. O. et al. Methodological Approach in Nursing Research for Constructing and Validating Protocols.Texto & Contexto - Enfermagem[online]. 2017, v. 26, n. 02, e00650016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tce/a/XNPJGWGp6Y6vcT8RWXQWv6x/abstract/?lang=pt#. Acesso em: 09/08/2022.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº0543/2017. Brasília. 2017. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-5432017_51440.html. Acesso em: 16/07/2019.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Diretrizes para elaboração de protocolos de Enfermagem na atenção primária à saúde pelos Conselhos Regionais. Brasília. 2018. Disponível em : http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2019/03/Diretrizes-para-elabora%C3%A7%C3%A3o-de-protocolos-de-Enfermagem-.pdf. Acesso em: 01/08/2022.

FUGAÇA, N.P.A., CUBAS, M.R.; CARVALHO, D.R. (2015). Utilização de Indicadores Balanceados como ferramenta de gestão na Enfermagem.Revista Latino –Americana Enfermagem, nov-dez.2015; 23(6):1049-56. Disponível: https://www.scielo.br/j/rlae/a/qZW9M5FNqSkCYQvXRVmFSVf/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 20/07/2022.

FUGULIN, F.M.T.; GAIDZINSKI, R.R.; CASTILHO V. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em instituições de saúde. In: KURCGANT, P. (Coord.) Gerenciamento em enfermagem. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010. p. 121-35.

OPAS. Organização Pan-Americana da Saúde (2018). Indicadores de Saúde: Elementos conceituais e Práticos. Disponível em: https://www3.paho.org/hq/index.php?option=com_content&view=article&id=14405:health-indicators-conceptual-and-operational-considerations&Itemid=0&lang=pt. Acesso em: 15/07/2022.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial de Saúde 2006. Ministério da Saúde, 2007.

PIMENTA, C. A. de M. et al.Guia para construção de protocolos assistenciais de enfermagem. COREN-SP – São Paulo: COREN-SP, 2015. Disponível em: <https://portal.coren-sp.gov.br/sites/default/files/Protocolo-web.pdf>. Acesso em 05/08/2021.

REBELLO, R. Como elaborar protocolo na área da Saúde. 2020. Disponível em: https://gestaoemsaude.net/como-elaborar-protocolos-na-area-da-saude/. Acesso em 29/07/2022.

REDE Interagencial de Informação para a Saúde. Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações / Rede Interagencial de Informação para a Saúde - Ripsa. – 2. ed. – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2008. 349 p.: il. Disponível em: https://www.paho.org/bra/dmdocuments/indicadores.pdf. Acesso em 13/10/2021.

SCHUTZ, F (2019). Qual o principal objetivo do Gerenciamento de Processos? Portal Iso. https://controle-de-processo.portaliso.com/qual-o-principal-objetivo-do-gerenciamento-de-processos/?gclid=Cj0KCQjwuuKXBhCRARIsACgM0jgDJPvrzG24YigMpki7j2OrNaffK4SoUsmrQ7vwAbN2UXnaxLEApcaAkOQEALw_wcB. Acesso em: 20/07/2022.

SILVA, R.C.F.; ANDRADE, A.R. de. Dimensionamento de enfermagem e o uso de indicadores em unidades de terapia intensiva: uma revisão integrativa. Revista Eletrônica Acervo Enfermagem, v. 17, p. e 9889. Disponível em: https://acervomais.com.br/index.php/enfermagem/article/view/9889/6036. Acesso em: 08/04/2022.

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Publicado

2022-11-18

Como Citar

SILVA, R. C. F. da; ANDRADE, A. R. de. Protocolo para dimensionamento de enfermagem na qualidade da assistência ao paciente crítico. Asklepion: Informação em Saúde, Rio de Janeiro, RJ, v. 2, p. 18–32, 2022. Disponível em: https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/67. Acesso em: 9 dez. 2022.