Acesso e uso da informação do repositório datasus para a construção do perfil epidemiológico de sífilis congênita no estado da Paraíba

Autores

  • Bárbara Lopes Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ
  • Talita Laís Medeiros Domingos Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ
  • Pollianna Marys De Souza e Silva https://orcid.org/0000-0002-1134-6264
  • Monalisa Alexandre Honorato Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ

DOI:

https://doi.org/10.21728/asklepion.2023v2n2.p102-113

Palavras-chave:

Sífilis Congênita. Uso e Acesso a Informação. Repositório Institucional.

Resumo

A transmissão vertical da sífilis consiste em um grande problema de saúde pública no Brasil e a conscientização da prevenção e tratamento é necessária para enfrentamento do problema. Esse estudo teve como objetivo utilizar informações do repositório DATASUS para a construção do perfil epidemiolófico de sífilis congênita no estado da Paraíba.Trata-se de um estudo epidemiológico, descritivo e retrospectivo, de caráter quali-quantitativo, realizado através do repositório institucional Datasus, no período de setembro de 2021. A coleta de dados foi realizada com os dados contidos no Datasus sobre os casos de SC no período dos anos de 2014 a 2018. Foram notificados 1428 casos, localizados principalmente na 1º região de saúde da Paraíba destes, observou-se que a maioria dos casos de SC em crianças é do sexo feminino com a porcentagem de 47,48% do total de casos. O maior percentual de detecção de SC foi até 6 dias de nascido, referente a 96,92% dos casos no estado da Paraíba. A maior parte das mães portadoras possuía da 5ª à 8ª série incompleta (20,7%) e que, em 27,6% dos casos, essa informação foi classificada como ignorada. Desta forma, é indispensável o desempenho dos profissionais de saúde para detectar, intervir e prevenir a Sífilis no decorrer da gestação, favorecendo a redução da incidência dessa patologia. Sendo assim, o período pré-natal se torna essencial a ação de medidas preventivas de saúde que possibilite uma gestação sem intercorrências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, M. A. L. et al. Fatores associados à prematuridade em casos notificados de sífilis congénita. Rev. Saúde Pública, v. 55, n.28, 2021.

AVELLEIRA, J. C. R. et al. Sífilis: diagnóstico, tratamento e controle. Anais Brasileiros de Dermatologia. 2006, v. 81, n. 2. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0365-05962006000200002. Acesso em 28 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Sífilis. Boletim Epidemiológico. Brasília: Ministério da Saúde, 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Prevenção da Transmissão Vertical do HIV, Sífilis e Hepatites Virais. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

CANTO, S. V. E. et al. Custo das internações hospitalares por sífilis congênita no Estado do Ceará. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 21, p. 311-318, 2021.

DOMINGUES, R. M. S. M.; LEAL M. C. Incidence of congenital syphilis and factors associated with Vertical trasmission. Cad Saúde Pública, v.32, n.6, 2016.

FAVERO, M. L. D. C. et al. Sífilis congênita e gestacional: notificação e assistência pré-natal. Archives of Health Sciences, v. 26, n. 1, p. 2–8. Disponível em: https://doi.org/10.17696/2318-3691.26.1.2019.1137. Acesso em 03.jul.2023.

FEITOSA, J. A. da S. et al. Artigo de Revisão: Sífilis Congênita. Revista de Medicina e Saúde de Brasília, v.5, n.2, 2016.

GASPAR, P. C. et al. Protocolo Brasileiro para Infecções Sexualmente Transmissíveis 2020: testes diagnósticos para sífilis. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 30, spe1, 2021.

GUILLER, C. A., DUPAS, G., PETTENGIL, M. A. M. Criança com anomalia congênita: estudo bibliográfico de publicações na área de enfermagem pediátrica. Acta Paulistana de Enfermagem, v. 20, n.1, p. 18-23, 2007.

LAGO, L. G. et al. Manifestaões clínicas e acompanhamento da sífilis congénita. Distúrbios de Transmissão Sexual, v. 40, n.2, p. 85-94, 2013.

PINTO, E. P. et al. Internações por condições sensíveis à Atenção Primária à Saúde em crianças menores de 1 ano no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, n.7, 2021.

ROCHA, A. F. B. et al. Complications, clinical manifestations of congenital syphilis, and aspects related to its prevention: na integrative review. Rev. Bras. Enferm, v. 74, n.4, p. 1-9, 2021.

ROCHA, A. F. B. et al. Complications, clinical manifestations of congenital syphilis, and aspects related to its prevention: na integrative review. Rev. Bras. Enferm, v.74, n.4, 2021.

SALES, J. R. P. de. Sífilis Gestacional e Congênita: Análise epidemiológica dos fatores relacionados às notificações no estado do Rio Grande do Norte. 2021. 192p. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2021.

SILVA, P. M. S; AUTRAN, M. M. M. Repositório Datasus: organização e

relevância dos dados abertos em saúde para a vigilância epidemiológica. P2P E

INOVAÇÃO, v. 6, p. 50-59, 2019.

SIMOURA, A. A. et al. A enfermagem e o saber das gestantes em assistência pré-natal acerca da sífilis e sífilis congênita. In: Congresso Brasileiro Dos Conselhos De Enfermagem, Natal, 2010.

SOUSA, A. F. de et al. Uso De Dados Do Departamento De Informática Do Sistema Único De Saúde (DATASUS) Em Pesquisas Científicas. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo Do Conhecimento. Ano 06, Ed. 04, Vol. 11, pp. 171-185, 2021.

SOUZA, A. C. C. Informação e Tecnologias de Informação em Saúde: Fontes e Mecanismos de transferências de conhecimento para a gestão do SUS em hospitais com termo de adesão à rede INOVARH-BA, 2017. 148f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Universidade Federal da Bahia-UFBA, Salvador, 2017.

Downloads

Publicado

11-07-2023

Como Citar

BÁRBARA LOPES; TALITA LAÍS MEDEIROS DOMINGOS; DE SOUZA E SILVA, P. M.; MONALISA ALEXANDRE HONORATO. Acesso e uso da informação do repositório datasus para a construção do perfil epidemiológico de sífilis congênita no estado da Paraíba. Asklepion: Informação em Saúde, Rio de Janeiro, RJ, v. 2, n. 2, p. 102–113, 2023. DOI: 10.21728/asklepion.2023v2n2.p102-113. Disponível em: https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/78. Acesso em: 2 mar. 2024.