Subutilização, limites e potencialidades do Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (SISAB)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21728/asklepion.2023v2n2.p52-70

Palavras-chave:

Sistema de Informação em Saúde, Gestão da Informação em Saúde, Atenção Primária à Saúde, Planejamento em saúde, Tecnologias em Saúde

Resumo

Este estudo teve como objetivo identificar na produção científica as ações de utilização das informações do Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (SISAB). A pesquisa parte do pressuposto que o SISAB tem o potencial para apoiar os gestores no planejamento em saúde e na tomada de decisão, superando o fato de ser apenas um sistema de monitoramento do repasse financeiro. Para o alcance do objetivo foi realizado uma revisão integrativa de literatura e para auxiliar a etapa de análise do material foram elaborados dois quadros sinópticos. Durante a revisão, notou-se uma lacuna na literatura com a ausência de evidências que avaliassem o impacto do SISAB, a confiabilidade dos seus dados e até mesmo do seu uso como uma ferramenta de monitoramento e avaliação das políticas e programas da AB. Grande parte do conhecimento científico produzido estava relacionado ao uso do SISAB para fins de monitoramento do financiamento das equipes. Os estudos ainda apontaram que a informatização e a qualificação dos usuários do sistema são fundamentais para a adoção do SISAB como ferramenta gerencial. Recomendou-se a instituição no país de uma política de avaliação sistemática dos dados para aumentar a confiabilidade dessa aplicação. Este estudo apresenta respostas para melhorar a implantação dos sistemas da estratégia e-SUS AB. Por fim, os achados revelam que investimentos robustos em informatização, capacitação e integração com outros sistemas podem reduzir o retrabalho dos usuários que utilizam essas tecnologias e transformar a estratégia e-SUS AB.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AVILA, G. S. Difusão do Prontuário Eletrônico do Cidadão da Estratégia e-SUS AB em equipes de Saúde da Família. Tese em Português. Belo Horizonte,109 p. 2020. Disponível em: https://fi_admin.bvsalud.org/document/view/m4pvj. Acesso em: 03/01/2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB: indicadores 2003. Manual do SIAB. Brasília: Ministério da Saúde. 2004.

BRASIL. Gabinete do Ministro. Portaria n. 1.412, de 10 de julho de 2013. Institui o Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (SISAB). Brasília: Gabinete do Ministro. 2013. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/pr1412_10_07_2013.html. Acesso em 29 de dezembro de 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde. 2017. Disponível em: https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=22/09/2017&jornal=1&pagina=68&totalArquivos=120. Acesso em: 26/01/2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. e-SUS Atenção Primária à Saúde: Manual do Sistema com Prontuário Eletrônico do Cidadão PEC – Versão 5.0 [recurso eletrônico] / MS. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Secretaria Executiva. Brasília: Ministério da Saúde, 2022. Disponível em: https://aps.saude.gov.br/ape/esus. Acesso em 01/01/2023.

CHUEIRIA, P. S.; HARZHEIM, E.; TAKEDAB, S. M. P. Coordenação do cuidado e ordenação nas redes de atenção pela Atenção Primária à Saúde – uma proposta de itens para avaliação destes atributos. Rev. Bras. Med. Fam. Comunidade. Rio de Janeiro, jan-dez, n. 12, v. 39,1 – 18 p. 2017.

CIELO, A. C.; RAIOL, T.; SILVA, E. N.; BARRETO, J. O. M. Implementation of the e-SUS Primary Care Strategy: an analysis based on official data. Revista Saúde Pública, [s.l.], v. 56, n. 9, 07 março de 2022.

COELHO NETO, G. C. e CHIORO, A. Afinal, quantos Sistemas de Informação em Saúde de base nacional existem no Brasil? Caderno Saúde Pública, [s.l.], v. 37, n.7. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00182119. Acesso em: 28/01/2023.

JORGE, M. H. P. M.; LAURENTI, R.; GOTLIEB, S. L. D. Avaliação dos sistemas de informação em saúde no Brasil. Caderno Saúde Coletiva, [s.l.], v 18, n.1, 7 – 18 p. 2010. Disponível em: http://www.iesc.ufrj.br/cadernos/images/csc/2010_1/artigos/Modelo%20Livro%20UFRJ%201-a.pdf. Acesso em: 03/01/2023.

LIMA, C. R. A.; SCHRAMM, J. M. A.; COELI, C. M.; SILVA, M. E. M. Revisão das dimensões de qualidade dos dados e métodos aplicados na avaliação dos sistemas de informação em saúde. Caderno Saúde Pública, [s.l.], v.25, n.10, p 95 - 109. 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009001000002. Acesso em: 23/01/2023.

LIMA, I. V.; KRUEL, V. A. J. A importância da confiança interpessoal para a consolidação do Programa de Saúde da Família. Ciências saúde coletiva, [s.l.], junho, v.12, n.3. 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000300028. Acessado em 27/01/2023.

LOPES, S. P. A.; MOREIRA, M. B. A.; ALMEIDA, M. A.; ARAÚJO, J. S.; FIGUEIREDO, L. G. M.; ARAÚJO, B. L. S.; CANGUSSU, M. C. T. Evolução dos cadastros individuais no SISAB a partir do novo financiamento da Atenção Básica: Um estudo descritivo. SciELO Preprints, [s.l.], 20 abril 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/SciELOPreprints.2135. Acesso em: 28/01/2023.

MACHADO, M. P. M. As práticas dos consultórios na rua: perspectivas para o monitoramento e avaliação do campo. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, sn, 261 p. 2021.

MEDEIROS, J. B.; HOLMES, E. S.; ALBUQUERQUE, S. G. E.; SANTOS, S. R.; CANDEIA, R. M. S.; COSTA, T. O e-SUS Atenção Básica e a coleta de dados simplificada: relatos da implementação em uma estratégia saúde da família. Revista Atenção Primária Saúde, [s.l.], v. 20, n.1, p 145-149. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.34019/1809-8363.2017.v20.15784. Acesso em: 22/01/2023.

MORAIS, R. M.; COSTA, A. L. Um modelo para avaliação de sistemas de informação do SUS de abrangência nacional: o processo de seleção e estruturação de indicadores. Rev. Adm. Publica, [s.l.], v. 48, n. 3, p 767-793. 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-76121512. Acesso em: 23/01/2023.

RIBEIRO, M. A.; MUNIZ, T. B. F.; ALBUQUERQUE, I. M. N.; VASCONCELOS, A. A.; COSTA, M. M.; VASCONCELOS, A. M. B. Processo de implantação do e-SUS Atenção Básica em Sobral – CE. Rev. Eletron. Comun. Inform. Inov. Saude, [s.l.], v. 12, n. 3, p 258-67. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.29397/reciis.v12i3.1364. Acesso em: 27/01/2023.

SANTOS, L. P. R.; PEREIRA, A. G.; GRAEVER, L.; GUIMARÃES, R. M. e-SUS AB na cidade do Rio de Janeiro: projeto e implantação do sistema de informação em saúde. Caderno saúde coletiva, [s.l.], n. 29. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1414-462X202199010232. Acessado em: 27/01/2023.

SILVA, R. A. E; CASTRO, E. A. B; VAN KEULEN, M. S. L.; SILVA, C. N.; SANTOS, T. M. P.; PAIVA, E. P. Cenário assistencial estabelecido para atenção ao idoso dependente após a alta hospitalar. Revista APS, [s.l.], v. 25, n.1, p 32-46. 2022.

SOUSA, A. N.; CIELO, A. C.; GOMES, I. C.; OLIVEIRA JUNIOR, J. G. e COSTA, M. L. S. Estratégia e-SUS AB: Transformação Digital na Atenção Básica do Brasil. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros: TIC domicílios 2018. Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2019.

SOUZA, M. T.; SILVA, M. D.; CARVALHO, R. Revisão Integrativa: o que é e como fazer? Einstein, [s.l.], n.8, p 102 – 106. 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1679-45082010RW1134. Acesso em 20/12/2022.

THUM, M. A.; BALDISSEROTTO, J.; CELESTE, R. K. Utilização do e-SUS AB e fatores associados ao registro de procedimentos e consultas da atenção básica nos municípios brasileiros. Caderno Saúde Pública, [s.l.], v.35, n. 2. 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00029418. Acesso em: 27/01/2023.

VIERO, V. C.; SILVEIRA, A. C. M. Apropriação de Tecnologias de Informação e Comunicação no meio rural brasileiro. Cadernos de Ciência & Tecnologia. Brasília, v. 28, n. 1, p. 257-277, jan./abr. 2011.

VILAS BOAS, A. R. S; SOUSA, A. R.; ALMEIDA, E. S.; SANTOS, S. D.; SILVA, N. S. B.; BORGES, C. C. L.; SANTOS, D. G. Demandas masculinas para o atendimento na atenção primária à saúde. REVISA (Online), [s.l.], v.10, n. 3, p 551-560. 2021. Disponível em: http://revistafacesa.senaaires.com.br/index.php/revisa/article/view/769/685. Acesso em: 24/01/2023.

WOODWARD, A et al. Diffusion of e-health innovations in ‘post-conflict’ settings: a qualitative study on the personal experiences of health workers. Human Resources for Health. London, v. 12, Apr. 2014. Disponível em: https://human-resources-health.biomedcentral.com/articles/10.1186/1478-4491-12-22. Acesso em: 22/01/2023.

ZACHARIAS, F. C. M.; SCHÖNHOLZER, T. E.; OLIVEIRA, V. C.; GAETE, R. A. C.; PEREZ, G.; FABRIZ, L. A.; AMARAL, G. G.; PINTO, I. C. e-SUS Atenção Primária: atributos determinantes para adoção e uso de uma inovação tecnológica. Caderno de Saúde Pública, [s.l.], v. 37, n .6. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00219520. Acesso em: 27/01/2023.

Downloads

Publicado

11-07-2023

Como Citar

OLIVEIRA JUNIOR, J. G. de. Subutilização, limites e potencialidades do Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (SISAB). Asklepion: Informação em Saúde, Rio de Janeiro, RJ, v. 2, n. 2, p. 52–70, 2023. DOI: 10.21728/asklepion.2023v2n2.p52-70. Disponível em: https://asklepionrevista.info/asklepion/article/view/79. Acesso em: 2 mar. 2024.